Como interpretar o Apocalipse?

Publicado em: 26 de junho de 2021

Categorias: Destaques, Estudos de Quinta Feira

Visualizações: 48

Tags: , ,

Existem 4 correntes principais na maneira de interpretar o livro do Apocalipse. Neste texto, quero destacar duas. Depois destacarei outras duas. Tais interpretações são baseadas em alguns comentários, principalmente, dos escritores Warren W. Wiersbe, Hernandes Dias Lopes, João Leonel e Simon Kistemaker.

1) A INTERPRETAÇÃO PRETERISTA – tudo o que é profetizado no livro já aconteceu.O livro narra apenas as perseguições sofridas pela igreja tanto por judeus como pelo Império Romano. A besta do capítulo 13 seria a Império Romano.O livro já concluiu seu propósito e não há mais nada de novo a ser apresentado.O problema desta corrente de interpretação e saber qual o valor do livro para aqueles que viveram e ainda vivem depois desta época. 

2) A INTERPRETAÇÃO FUTURISTA – tudo que é profetizado a partir do cap.4, tem a ver com os últimos dias, sem nenhuma aplicação na história da igreja. O problema é que tal interpretação tira por completo a mensagem consoladorave encorojadora do livro para os crentes da igreja primitiva.

A partir da interpretação futurista, ideias fantásticas e mirabolantes surgiram. Por exemplo:a criação do estado de Israel (1948); a invasão do Afeganistão pela antiga URSS (1979); a queda das Torres Gêmeas (2001); China e URSS seriam Gogue e Magogue (20.7-8). Tal interpretação é chamada de “escatologia sensacionalista”. Os adeptos deste tipo de interpretação buscam eventos sensaciolistas para chamar a atenção. Lembro-me de assistir um filme produzido pelos norte-americanos onde o vencedor do anticristo eram os próprios americanos. Tal ideia se opõe ao ensino bíblico, pois quem vence o anticristo no Apocalipse é o próprio Cristo liderando Sua igreja. 

3) INTERPRETAÇÃO HISTÓRICA

Interpretação simbólica de toda a história da igreja até a volta de Cristo e o fim dos tempos. Mistura de interpretações preteristas e futuristas.

  • 1º selo – era de prosperidade no Império Romano (100-200d.C.)
  • 2º a 4º selos– desastre do Império Romano (200-300 d.C.)
  • 5º selo – era da perseguição (100-300 d.C.)
  • 6º selo – revolução: cristianização do império (313-400 d.C.)
  • 1ª à 4ª trombeta – queda do Império Romano (400-476 d.C.)
  • 5ª trombeta – surto do maometismo (637-786 d.C.)
  • 6ª trombeta – surto do poderio turco (1057-1453 d.C.)
  • Aberto o livrinho (era da Bíblia aberta) (1500 d.C.)
  • Meditação do templo: era da reforma da igreja (1500 d.C.)
  • As duas testemunhas: a igreja e a Bíblia (1500 d.C.)
  • A Besta : o poder mundial conferido ao papado (600-1800 d.C.)
  • O falso profeta: a igreja apóstata no poder (600-1800 d.C.)
  • Babilônia: Roma Papal (600-1800 d.C.)
  • 1ª à 5ª taça: juízo que abate o poder papal (1600-1900 d.C.)
  • 6ª taça e o que se segue – ainda no futuro (1900 até o fim.
  • O atual papa seria o sétimo rei de Apocalipse 17.10.

4) PARALELISMO PROGRESSIVO – defende que há sete sessões no Apocalipse, paralelas uma à outra, cada uma apresentando um período completo da história da igreja, até a segunda vinda de Cristo, sendo que cada sessão acrescenta algo que a outra não disse.Esta tese é proposta no livro “Mais que vencedores” de William Hendriksen. 

  • 1a seção – os sete candeeiros (1-3)
  • 2a seção – os sete selos (4-7)
  • 3a seção – as sete trombetas (8-11)
  • 4a seção – a tríade do mal (12-14)
  • 5a seção – as sete taças (15-16)
  • 6a seção – a derrota dos agentes de satanás (dragão) (17-19)
  • 7a seção – (20-22) – mostra o reinado de Cristo com as almas dos santos no céu.

Esta ultima tese mais aceita e utilizada pelos reformadores.