Ex-militante se converte na Nicarágua e hoje apoia as vitimas de perseguição

Publicado em: 18 de junho de 2023

Categorias: Destaques, Notícias

Visualizações: 156

Tags: , , , ,

A transformação de Dario na Nicarágua é um verdadeiro milagre. Hoje, a casa dele tem uma marca com tinta que indica a presença de líderes cristãos. O registro é uma estratégia do governo para identificar os “inimigos” do Estado e lembra todos os dias que o pastor é desprezado. Policiais e vários grupos militares vigiam a casa constantemente.  

Até pouco tempo, Dario fazia parte do grupo que o persegue hoje. Como muitos jovens na América Latina, ele ingressou com apenas 14 anos em um grupo de guerrilha sandinista pelo qual lutou durante 11 anos. Ele também se declarava ateu e se opôs avidamente ao cristianismo, especialmente quando a esposa dele se converteu.  

Chamado para a esperança 

A esposa permaneceu em Cristo apesar da objeção do marido. Demorou cinco anos para que o coração de Dario se abrisse para Jesus. Mas, aos poucos, todos viram a mudança na mentalidade e no comportamento de Dario, até que ele deixou completamente a vida de militante sandinista para trás. 

Ele se tornou pastor e, diante da crise e da perseguição crescente na Nicarágua, se viu impelido a orar e clamar ao Senhor por sua nação. Ele fez parte dos cristãos que socorreram os manifestantes feridos em 2018 nos protestos contra os abusos da gestão Ortega e, desde então, é acusado de incitar a violência e de ser um inimigo do Estado por causa do socorro prestado. 

A Nicarágua entrou este ano na Lista Mundial da Perseguição (LMP) por causa da intensa vigilância e da aversão aos cristãos que as autoridades estabeleceram nos últimos anos. Nesse contexto, poucos têm o privilégio do pastor Dario e da família de conhecer e seguir a Jesus. Ore pela Igreja Perseguida na Nicarágua. 

Hoje o pastor Dario entende que sua missão é orar e trazer esperança para a Nicarágua. “Estamos buscando a Deus com sincera devoção em oração. Cremos que por meio das orações Deus tem nos ajudado a sobreviver à perseguição”, conclui o pastor.

Com informações de Portas Abertas