Descoberta em Laquis, confirma a Reforma Religiosa feita pelo Rei Ezequias

Publicado em: 6 de agosto de 2023

Categorias: Destaques, Notícias

Visualizações: 201

Tags: , , ,

Imagem aerea do Sitio arqueológico da Laquis (Tel Lachish)

Uma descoberta importante e incomum foi feita em escavações arqueológicas realizadas no Parque Nacional de Tel Lachish (Láquis): um portão-templo do período do Primeiro Templo (oitavo século a.C.), que os arqueólogos consideram como uma evidência convincente dos esforços do rei Ezequias para abolir o culto idólatra, conforme descrito na Bíblia: “Removeu os altos, quebrou as colunas sagradas e derrubou os postes de Aserá…” (II Reis 18:4).

A escavação arqueológica foi conduzida entre janeiro e março pela Autoridade de Antiguidades de Israel, sob a iniciativa do Ministério de Jerusalém e do Patrimônio, em cooperação com a Autoridade de Natureza e Parques, com o objetivo de continuar com os trabalhos de escavação no Parque Nacional de Tel Lachish. A parte norte do portão foi descoberta décadas atrás por uma expedição britânica e uma expedição da Universidade de Tel Aviv, e a escavação atual visava expor completamente o portão. O portão que foi revelado na escavação é o maior conhecido no país do período do Primeiro Templo.

De acordo com Sa’ar Ganor, diretor da escavação em nome da Autoridade de Antiguidades de Israel, “O tamanho do portão está de acordo com o conhecimento histórico e arqueológico que possuímos, que indica que Laquis era uma cidade importante e a mais relevante depois de Jerusalém”. De acordo com a narrativa bíblica, os portões das cidades eram o lugar onde “tudo acontecia”: os anciãos da cidade, juízes, governadores, reis e autoridades – todos se sentavam em bancos no portão da cidade. Esses bancos foram encontrados em nossa escavação.

Câmaras do portão de Laquis

O portão da cidade de Laquis (24,50 x 24,50 m), que agora está completamente exposto e preservado até uma altura de 4 m, é composto por seis câmaras, três de cada lado, e a rua principal da cidade que passava entre elas (Foto acima). Os artefatos descobertos em suas salas indicam como elas eram usadas no oitavo século a.C.: na primeira câmara havia bancos com apoios de braços, ao pé dos quais foram encontrados inúmeros objetos, incluindo jarros, uma grande quantidade de pás para carregar grãos e alças de jarros estampadas com o nome do oficial ou com um selo “lmlk” (pertencente ao rei). Duas das alças possuem a impressão do selo “lmlk hbrn” (pertencente ao rei de Hebrom). A palavra “lmlk” está escrita em uma das alças, juntamente com uma representação de um besouro de quatro asas (escaravelho), e outra impressão traz o nome lnhm avadi, que provavelmente era um alto funcionário durante o reinado do rei Ezequias. Parece que esses jarros estavam relacionados com os preparativos militares e administrativos do Reino de Judá na guerra contra Senaqueribe, rei da Assíria, no final do oitavo século a.C.

A continuação do edifício é o portão-templo, cujas paredes foram revestidas com gesso branco. De acordo com Ganor, “Degraus até o portão-templo na forma de uma escada ascendiam a uma grande sala onde havia um banco onde oferendas eram colocadas. Uma abertura foi exposta no canto da sala que levava ao santo dos santos; para nossa grande excitação, encontramos dois altares com quatro chifres e muitos objetos de cerâmica, incluindo lâmpadas, tigelas e suportes. É muito interessante que os chifres no altar foram intencionalmente danificados! Isso provavelmente é evidência da reforma religiosa atribuída ao rei Ezequias, na qual o culto religioso foi centralizado em Jerusalém e os locais sagrados construídos fora da capital foram destruídos: “Removeu os altos, quebrou as colunas sagradas e derrubou os postes de Aserá…” (II Reis 18:4).

Vaso Sanitário

Além de cortar os chifres no altar, para intensificar ainda mais a abolição do culto no portão-templo, um vaso sanitário foi instalado no local do altar, indicando a máxima profanação daquele lugar. Uma pedra em forma de cadeira com um buraco em seu centro (artefato indicado na imagem ao lado) foi encontrada no canto da sala. Pedras desse tipo têm sido identificadas em pesquisas arqueológicas como vasos sanitários. A evidência de abolir locais de culto instalando um vaso sanitário neles é conhecida na Bíblia, como ilustrado no caso de Jeú destruindo o culto de Baal em Samaria: “E demoliram o pilar de Baal, e demoliram a casa de Baal, e a fizeram um lugar de excrementos até este dia” (II Reis 10:27). Esta é a primeira vez que uma descoberta arqueológica confirma esse fenômeno. Testes laboratoriais conduzidos no local onde o vaso sanitário de pedra foi colocado sugerem que ele nunca foi usado. Portanto, podemos concluir que a colocação do vaso sanitário era simbólica, após o que o santo dos santos foi selado até que o local foi destruído.

O portão de Laquis foi destruído por Senaqueribe, rei da Assíria, em 701 a.C. A escavação revelou camadas de destruição após a derrota, incluindo pontas de flechas e pedras de atiradeira, indicativas de combates corpo a corpo que ocorreram na entrada da cidade. Evidências da campanha militar de Senaqueribe em Judá são conhecidas nos registros arqueológicos, na Bíblia (II Reis 18 e II Crônicas 32) e nos relevos das paredes de Laquis, no palácio de Senaqueribe em Nínive, representando a história da conquista da cidade.

Atualmente, o portão está temporariamente coberto para fins de conservação e não pode ser visto. A Autoridade de Natureza e Parques, em cooperação com a Autoridade de Antiguidades de Israel, está atualmente envolvida no desenvolvimento e conservação contínuos do local em preparação para sua abertura ao público.

Com informações da Autoridade de Antiguidades de Israel

Post Anterior:
Próximo post: