O Cavaleiro no Cavalo Branco

Publicado em: 17 de setembro de 2021

Categorias: Destaques, Estudos de Quinta Feira

Visualizações: 54

Tags: , , , , ,

Leia: Apocalipse 6.1-2

Jesus, o Cordeiro de Deus é o único digno de abrir o livro e os setes selos (5.5). Os selos representam o juízo de Deus na história. Somente no Apocalipse, há mais de 400 citações do Antigo Testamento. O primeiro selo aberto, apresenta a imagem de um cavaleiro com seu arco montado num cavalo branco.

Os cavaleiros são imagens extraídas do livro de Zacarias 1.8 e 6.1-8. Há muitas divergências a respeito de quem seria o cavaleiro com o arco montado num cavalo branco. Destaco duas aqui. Alguns interpretam este primeiro cavaleiro como a imagem do anticristo (cf. Mt 24.15; II Ts 2.1-11). O anticristo seria aclamado com magníficas vitórias e enganaria se possível, os eleitos (Mt 24.24).

O grande teólogo, Dr. Russel P. Sheed, defende que este primeiro selo se aplica a Cristo, considerando que no Apocalipse o branco sempre se refere ou é associado a Cristo, ideia na qual eu também partilho (veja Ap 19.11). Este primeiro cavalo representa a conquista. Sempre que Cristo aparece ou Sua Palavra é anunciada, satanás se agita e começam as tribulações e perseguições sobre os cristãos.

O império romano era muito poderoso. Ele varreu nações e outros impérios. Os partos eram os únicos inimigos montados que se utilizavam de cavaleiros munidos de arcos. A habilidade dos partos em lidar com arcos fizeram com que os romanos os temessem em demasia. Hernandes Dias Lopes, em seu comentário sobre o Apocalipse, diz que se alguém quisesse assustar um romano, era só mostrar a imagem de um cavaleiro com um arco.

Assim como o cavaleiro com o arco causava calafrios nos romanos, assim Cristo em Satanás. Portanto, não há razão para apoiar a ideia de que o primeiro selo (cavalo branco) se refira ao anticristo, pois o cavaleiro branco deveria ser aliado do império romano e não opositor. O texto de Apocalipse 6.1-2 tem seu paralelo em 19.11-14. A coroa (grego: stéfanos) mencionada em Ap 6.2, representa na cultura grega um atleta ou general vencedor. Paulo usa esta figura em I Co 9.25.

O Apocalipse retrata a vitória de Cristo que será total no fim dos acontecimentos (cf. 19.11-16). Aqueles que forem fieis a Cristo até à morte, receberão uma coroa muito valiosa que ninguém poderá tirar, a coroa da vida (Ap 2.10).