E o Verbo se fez Carne

Publicado em: 18 de dezembro de 2017

Categorias: Devocionais

Visualizações: 56

Tags:

 

Há muito tempo os filósofos discutem sobre o “princípio” do universo. Alguns filósofos antigos diziam que o “princípio” era formado por terra, outros diziam que era água, fogo ou ar. Com o tempo, diminuíram essa questão e passaram a questionar sobre aquilo que deu ação ao universo. Que energia seria tão forte a ponto de fazer funcionar algo tão infinito? Mas quando não conseguiram achar a solução para este problema, passaram a chamar esta energia de “Verbo”.

Foi neste contexto que João, discípulo amado de Jesus Cristo, inspirado pelo Espírito Santo, decidiu escrever acerca de tudo quando viu e viveu. E hoje temos acesso a este evangelho para nos alimentar da mais pura verdade sobre o “princípio” e o “Verbo” de nosso universo.

João começa reafirmando algo que já era dito: “No ‘princípio’ era o ‘Verbo’”. Com isso, com certeza, ele ganhou a atenção de muitos de sua época, pois mostrava sua cultura e entendimento. Logo depois, ele passa a falar sobre o “Verbo”, que estava com Deus. Assim, ele definiu que sua carta tinha intenção de falar sobre religião, mas sem abrir mão de verdades racionais e filosóficas. O “Verbo” tão discutido entre os sábios da época estava face a face com o ser Divino desde antes da fundação do universo. Sen-do assim, o “verbo” é eterno. Então, ele ousou dizer algo que poucos filósofos teriam coragem: O Verbo era Deus. Com isso, ele definiu sua ciência de que o “Verbo”, ainda que distinto de Deus, possuí mesma substância.

O ápice de sua primeira fala termina quando ele afirma que o “Verbo”, tão dis-cutido entre os sábios, se fez carne e habitou entre nós. Assim, João, de forma magnífica, passou a apresentar Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador. Com isto, consigo aprender pelo menos quatro lições muito importantes:

  • Jesus, o personagem histórico que nasceu em Belém, é eterno.
  • Jesus estava face a face com Deus no momento da Criação.
  • Jesus é distinto em pessoa, mas de mesma substância de Deus, formando com ele um todo perfeito.

Não devemos ter medo de falar do evangelho, mesmo entre aqueles que se dizem mais sábios e inteligentes. João teve coragem e ousadia ao pregar o evangelho. E nós? É nosso papel, como igreja, falar a toda criatura sobre nosso Senhor e Salvador, então, não percamos tempo.