Forjado na Bigorna do Sofrimento

Publicado em: 28 de outubro de 2023

Categorias: Destaques, Devocionais

Visualizações: 159

Tags: , , ,

A ascensão de Davi ao trono de Israel é uma história dramática, que nos enseja grandes lições. Ele foi o candidato improvável ao trono de Israel. Filho caçula de uma família de oito irmãos, não tinha idade para ser percebido como o escolhido de Deus. Sua carreira solitária nos desertos de Belém, apascentando rebanhos e defendendo ovelhas dos predadores era todo o seu currículo. Nas horas de folga tangia sua harpa e compunha poemas inspiradores. 

Ele foi o escolhido de Deus para suceder o fracassado rei Saul. Ungido por Samuel, foi revestido com o poder do Espírito Santo. Por divina providência, aproximou-se do palácio, tornando-se o músico do rei; mais tarde, escudeiro do rei; e finalmente, genro do rei. Davi tornou-se um herói nacional ao triunfar sobre o gigante Golias. Sua fama de vitorioso guerreiro tornou-se notória em toda a nação. Seu prestígio crescente, porém, perturbou o já atormentado rei Saul. Na mesma medida que o Espírito Santo dirigia Davi, um espírito maligno atormentava Saul. Na mesma proporção que Davi crescia aos olhos da nação, Saul revelava sua fraqueza. Enquanto Davi era um jovem quebrantado e sempre confiante em Deus, Saul foi rebelde ao Senhor, jamais cumprindo suas ordens. Sempre que confrontado, Davi reconhecia seus erros; Saul, porém, sempre colocava a culpa nos outros, sem jamais admitir sinceramente seus pecados.

Uma música entoada pelas mulheres de Israel exaltando Davi dez vezes mais que Saul não produziu nenhum impacto em Davi, mas arruinou a alma do monarca inseguro. Doravante, Saul passou a perseguir Davi com rigor desmesurado. Saul tentou matar Davi, usando o casamento dele com suas filhas. Mais tarde, tentou matá-lo pelas mãos dos filisteus. Em seguida, sem qualquer disfarce, avançou contra Davi com seu exército. Matar Davi tornou-se a maior obsessão de Saul. O jovem belemita precisou fugir para desertos e cavernas, dormindo ao relento, para escapar do sogro descontrolado. Não que Davi tivesse qualquer culpa ou que tenha perdido a compostura nessa saga de perseguição. Davi sempre honrou o rei e mesmo tendo oportunidade de vingar-se, jamais o fez. 

A perseguição atroz durou mais de dez anos. Houve momentos em que Davi chegou a refugiar-se entre os filisteus, os arqui-inimigos de Israel. Enquanto isso, Saul ia de mal a pior. Perdeu o respeito dos filhos, dos soldados, e por fim, da nação. Sua vida foi um declínio vertiginoso. Encerrou sua biografia, buscando uma feiticeira e cometendo suicídio. 

Mas por que Deus não colocou Davi no trono logo depois de sua unção? Por que Davi foi matriculado na escola do quebrantamento antes de chegar ao palácio? A verdade é que Deus forjou Davi na bigorna do sofrimento para que ele não fosse um Saul II. O sofrimento não destruiu Davi, acrisolou-o. O sofrimento não foi um sinal do desfavor de Deus, mas de seu cuidado providente. Davi tornou-se um guerreiro experimentado, um líder destacado, um homem inspirador. Deus usou o rei Saul para arrancar o Saul que estava escondido no coração de Davi, a fim de que Davi não arruinasse o reino.

Deus não tem pressa em preparar seus líderes. O moinho de Deus mói devagar, mas mói fino. Davi foi provado para ser aprovado. Ele foi aperfeiçoado na dor, fortalecido no sofrimento e encorajamento nos livramentos. Aprendeu a ser um estrategista e, também, a orar por causas impossíveis. Viu milagres extraordinários e sinais do favor de Deus. No tempo oportuno, Deus abriu-lhe o caminho rumo ao trono, para tornar-se rei de Israel, e o maior deles. Deus ainda continua preparando homens e mulheres para grandes desafios, forjando-os na bigorna do sofrimento.

Texto do Rev. Hernandes Dias Lopes

Post Anterior:
Próximo post: