Descobertas arqueológicas em Nínive

Publicado em: 10 de setembro de 2023

Categorias: Destaques, Notícias

Visualizações: 184

Tags: , , , ,

Zaid al-Obeidi/AFP/Getty Images

Escavações realizadas no norte do Iraque, revelaram esculturas datadas de 700 A.C., na cidade de Nínive, a leste da atual Mossul no Iraque. As escavações são conduzidas por uma equipe de escavação conjunta dos Estados Unidos e do Iraque, que estava completando trabalhos de reconstrução na Porta Mashki, que foi destruída por militantes do grupo terrorista Estado Islâmico em 2016.

O Iraque abrigou algumas das cidades e civilizações mais antigas do mundo, incluindo os babilônios, os sumérios e os assírios. Por volta de 700 a.C., o rei assírio Senaqueribe fez de Nínive sua capital e construiu a Porta Mashki, que significa “Porta de Deus”, para proteger sua entrada. No entanto, a porta foi um dos muitos monumentos históricos que se tornaram vítimas de conflitos militares prolongados e atos de vandalismo cultural na região. Ela foi reconstruída na década de 1970, mas em 2016 novamente destruída pelo grupo terrorista.

Quando o Programa de Estabilização do Patrimônio do Iraque, dirigido por Danti, começou a reconstruir a porta, eles fizeram uma descoberta que ele descreveu como “tão rara que era inimaginável”. Enterrados sob as ruínas da porta estavam sete lajes de mármore com esculturas ornamentadas representando soldados assírios disparando flechas, bem como palmeiras, romãs e figos, todos pertencentes ao palácio de Senaqueribe.

Embora tenha havido escavações arqueológicas no local antes, nas décadas de 1960 e 1970, esta parte não havia sido escavada, segundo Danti. Enquanto a porta foi destruída, “esses restos foram protegidos porque estavam enterrados”, disse ele.

Projeto Arqueológico Terras de Nínive, Universidade de Udine

O Parque Arqueológico de Faida, a cerca de 31 quilômetros de Nínive, também foi descoberto após a conclusão dos trabalhos de escavação que começaram em 2019. O Projeto Arqueológico da Terra de Nínive da Universidade de Udine, na Itália, encontrou 13 relevos esculpidos nas paredes de um canal de irrigação com seis milhas de extensão.

Em entrevista à CNN, o arqueólogo de Udine, Daniele Morandi Bonacossi, descreveu os relevos como “únicos” e “sem paralelo na arte rupestre do Oriente Médio”. “Os relevos de Faida constituem um complexo monumental de notável interesse através do qual o poder real assírio implementou um programa escultural destinado a celebrar a criação do sistema hidráulico que deu fertilidade e riqueza à região circundante”, disse ele. Embora algumas das esculturas tenham sido inicialmente descobertas em 1973 pelo arqueólogo britânico Julian Reade, elas não foram completamente desenterradas até agora.

Senaqueribe foi o Rei Assírio citado na Bíblia em 2 Reis 18, como sendo o responsável pela invasão de Israel e Judá, durante o cerco de Jerusalém no reinado de Ezequias. Senaqueribe foi derrotado por Deus e voltou para Nínive, onde foi morto em uma conspiração de seus dois filhos, conforme cita o profeta Isaías (Is 37).

Com informações de CNN, adaptação Alex Igor Santos