Deus cuida de seu Povo?

Publicado em: 19 de fevereiro de 2020

Categorias: Estudos de Quinta Feira

Visualizações: 229

Tags: , ,

Jacó teve duas esposas e, do fruto desses dois casamentos, 12 filhos. Com a amada Raquel foram dois: José e Benjamim. Por ser filho da sua velhice e da mulher amada, Jacó ama mais a José do que os outros filhos e isso, como esperado, gera ciúmes e inveja nos demais irmãos. Para agravar, José tem o dom de interpretar sonhos. Dois desses sonhos relatava que haveria submissão dos seus irmão e até de seus pais perante ele (Gn 37.5-8, 9-10). Quando ele relata isso aos seus irmãos o ódio que tinham por ele aumentou tanto que decidiram criar um plano para matá-lo. Porém Rúben intervém e não permite que os irmãos matem ele, acabam por vende-lo como escravo e criam uma farsa para o pai dizendo que José havia sido morto por um animal.

José se torna-se escravo na casa de Potifar, comandante da guarda egípcia, e o Senhor era com José e tudo o que fazia obtinha êxito. Vendo isso, Potifar o coloca como mordomo da sua casa e José administrava todos os bens do seu senhor. Por amor a José, a casa do egípcio foi abençoada por Deus. A Bíblia relata que José era um homem bonito e logo isso chamou atenção da mulher de Potifar que desejava mantê-lo como amante. José, porém, se recusava, pois, era temente a Deus. Mas a mulher de Potifar não desistia, até que um dia ela o agarrou pelas vestes e José precisou fugir dela sem as roupas. Percebendo que tinha ficado com as vestes dele e preocupada que isso pudesse lhe causar problemas, resolveu denunciá-lo por tentativa de estupro. José, então, é condenado a prisão. Em casos graves como este onde um escravo tenta violentar a mulher de seu senhor a punição era a morte, esta pena, relativamente suave, demonstra que Potifar não estava inteiramente certo quanto a história de sua mulher.

Mas Deus continuava com José, que na cadeia se tornou auxiliar do carcereiro, cuidando de todos os presos. Ali na cadeia ele teve por cargo servir aos copeiro-chefe e padeiro-chefe que haviam sido presos. Os dois tiveram sonhos e José os interpretou, informando que o copeiro teria seu antigo emprego e o padeiro seria morto. E assim ocorre, conforme José havia interpretado.

Após dois anos que José estava preso, Faraó teve dois sonhos que ninguém conseguia interpretar e o copeiro-chefe se lembra de José, que é levado para a presença de Faraó que relata os sonhos e José os interpreta, informando que haveriam sete anos de muita fartura e sete anos de muita fome e orienta a Faraó a guardar alimentos para os dias de fome. Faraó, admirado pela pessoa de José, o institui como governador do Egito e assim, José sai de prisioneiro para governador.

Assim como havia interpretado, houve grande fartura por sete anos, porém os sete anos seguintes foram de imensa fome. A fome era tanta que levou os irmãos de José a irem até o Egito para comprar alimentos para não morrerem. Chegando ali, ainda sem saber que era seu irmão, cumpre-se o sonho de José que culminou em todos esses acontecimentos, eles se prostram perante ele em submissão (Gn 42.6).

Nem sempre é possível compreender os caminhos de Deus, mas tudo aquilo que José passou tinha como objetivo torná-lo governador do Egito para sustentar sua família durante o período de fome e a linhagem de Abraão viva.

Mantenha-se firme em Deus mesmo em momentos difíceis, confie nele e peça sempre a sua orientação e proteção.

Post Anterior:
Próximo post: