Sou “Mãe Coruja”?

Publicado em: 13 de maio de 2017

Categorias: Devocionais

Visualizações: 945

Tags:

Provérbios 30.24-28

Há quatro coisas mui pequenas na terra que, porém, são mais sábias que os sábios: as formigas, povo sem força; todavia, no verão preparam a sua comida; os arganazes, povo não poderoso; contudo, fazem a sua casa nas rochas; os gafanhotos não têm rei; contudo, marcham todos em bandos; o geco, que se apanha com as mãos; contudo, está nos palácios dos reis.

“Mãe coruja” vem da qualidade da mãe, que como a mamãe coruja, quer a proteção de seus filhos. Concordo muito com tal explicação. Quem é que não quer cuidar e garantir a proteção de quem ama? A maioria das aves cuidam tão bem de seus filhinhos, que muitas vezes dão aulas de maternidade a muitas mães em tristes casos que vemos de abandono, violência e outras situações  que não vou entrar agora em questão.

Pesquisando um pouquinho sobre algumas mães aves, encontrei tantas atitudes de proteção e cuidado para com seus filhotes que me deixaram admirada. Por exemplo: em áreas do deserto, algumas aves, para saciar a sede dos filhotinhos, voam até uma poça de água, encharcam as penas do peito e voltam ao ninho, onde os filhotes sugam as penas molhadas.” Este é um dos métodos incríveis em meio a tantos que encontrei. Sem falar no habitual que já sabemos e vemos por parte destas mãezonas, como por exemplo, cobrir seus ninhos debaixo de suas asas, levar o alimento até seus biquinhos…

Ao se falar em “mãe coruja” me vem à mente também a conhecida fábula “A coruja e a águia” (fábula portuguesa que deu origem à expressão “mãe coruja”). Observe:

Conta-se que a Dona Coruja encontrou a Dona Águia, e disse-lhe:

– Olá, Dona Águia, se vires uns passarinhos muito lindos em um ninho, com uns biquinhos muito bem feitos, olha lá, não os coma,  que são os meus filhos!

A águia prometeu-lhe que não os comeria e saiu voando; logo encontrou numa árvore um ninho, e comeu todos filhotes.

Quando a coruja chegou e viu que lhe tinham comido os filhos, foi ter com a águia, muito aflita:

– Ô, Dona Águia, tu foste-me falsa, porque prometeste que não me comerias meus filhinhos, e mataste-os todos!

Ao que respondeu-lhe a águia:

– Eu encontrei uns pássaros pequenos num ninho, todos feios, depenados, sem bico, e com os olhos tapados, e comi-os; e como tu me disseste que os teus filhos eram muito lindos e tinham os biquinhos bem feitos, entendi que os teus não eram esses.

– Pois eram esses mesmos, lamentou-se a coruja.

– Pois, então, queixa-te de ti mesma, que é que me enganaste com a tua cegueira.

Analisando pela moral desta narrativa, o sentido verdadeiro de ser “mãe coruja” está bem definido aqui, mas é entendido ou interpretado de forma errônea ainda por algumas mães. Ser “mãe coruja” não é defender os filhos da correção de seus erros, nem protegê-los de algumas regras que precisam cumprir, ou muito menos achar que todo mundo está contra ele , o qual não erra, não precisando portanto de correções. Ser “mãe coruja” é exercer a função de exortar (aconselhar para o bem, encorajar, convencer das falhas, animar, disciplinar para a vida).

Você é “ mãe coruja” quando participa da vida de seus filhos sorrindo ou chorando com ele, torcendo por suas conquistas, permitindo-lhes perceber seus erros, dando-lhes oportunidades de refletir, consertar e acertar.

Aos olhos das mamães, seus “filhotes” são e sempre serão perfeitos e lindos fisicamente. Isto é fato e assim deve ser. Somos também todos belos aos olhos de Deus, porque Ele nos criou à sua imagem e semelhança, entretanto é necessário que tenhamos um interior muito mais agradável e bonito com nossas atitudes. E como sabemos que temos um Pai perfeito, somos sempre corrigidos no momento certo e da maneira também correta.

Seus filhos mamães, precisam de cuidado, de proteção, de elogios, de apoio, enfim… de amor, mas isto só terá resultado positivo e sentido, se for acompanhado por disciplina e correção.

Que você mamãe, possa refletir sobre esse acompanhamento de seus filhos. Não deixe de corrigi-los agora, porque lá na frente poderá ser muito difícil, mesmo que tenha que virar uma “mãe leoa”. Pense nisso!

Um Feliz Dia das Mães a todas as “mamães corujas!”

“Disciplina teus filhos enquanto eles têm idade para aprender.” 

Provérbios 19.18a